Violência contra a pessoa idosa

Estudos revelam que a violência contra idosos representa a segunda causa de internações de idosos no SUS
Fotos: Divulgação/Decom Texto:

Em 15 de junho de 2016, a Rede Internacional de Prevenção de Maus-tratos Contra Idosos (RIPMTPI), em parceria com a Organização das Ações Unidas, declarou 15 de julho como o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa.

O objetivo é sensibilizar a sociedade para o combate às diversas formas de violência cometidas contra a pessoa com idade igual ou superior a 60 anos. A violência contra idosos é considerada um fenômeno mundial. Não são raros casos de idosos agredidos por quem deveria cuidá-los. Essas violações acontecem geralmente contra idosos dependentes de cuidados especiais, que não têm mobilidade, que estão enfermos ou perderam forças para lutar.

Estudos revelam que a violência contra idosos representa a segunda causa de internações de idosos no SUS, e suas consequências resultam em 35% ou 3,5 dos óbitos de idosos no Brasil.

 

De acordo com o balanço geral do Ministério de Direitos Humanos, referente às denúncias recebidas pelo Disque 100, os tipos mais frequentes de violência contra idosos, no ano de 2017, foram, em escala decrescente: 

1) Negligência, com 25.458 denúncias.

2) Violência psicológica, com 18.709 denúncias. 

3) Abuso financeiro/econômico/violência patrimonial, com 14.188 denúncias recebidas.

O perfil das vítimas (faixa etária), segundo o balanço, registra o maior percentual entre idosos de 76 a 80 anos (17,90%), mas também ocorre com bastante frequência com idosos de 65 a 70 (16,67%) e 71 a 75 anos (14,54%), em idosos de 61 a 65 anos (13,80%), 81 a 85 anos (12,60%) e 85 a 90 anos (10.31%).

As mulheres idosas registram o maior percentual de agressão (63.51%), sendo os homens (31.8%). Quanto ao agressor, 74% são familiares dos idosos, sendo os filhos os maiores agressores (51.83%), seguidos dos netos (8.22%), genro/nora (4.68%), sobrinho (3.27%), esposa (1.4%), e irmãos (3.03%). O maior local de violência é a própria casa do idoso (76,30%).

Quanto ao tipo de violência que mais ocorre, a negligência, o balanço apontou os seguintes números: negligência em amparo em responsabilização, com 23.114 denúncias; negligência em alimentação, com 14.117 denúncias; negligência em limpeza e higiene, com 12.74 denúncias; negligência em medicamentos/assistência de saúde, com 11.832 denúncias; abandono, com 6.813 denúncias; outros tipos com 1.762 denúncias; e autonegligência com 221 denúncias.

Quanto à violência psicológica o maior número de denúncias recebidas diz respeito à hostilização, seguida de humilhação, ameaça, calúnia/difamação, chantagem, perseguição, infantilização.

Quanto à violência patrimonial, os maiores números dizem respeito à retenção de salário/bens, com 10.754 denúncias, expropriação de bens, com 3.519 denúncias, extorsão, com 1.301 denúncias, furto, com 908 denúncias e outras não menos grave.

É fundamental o reconhecimento de que o abuso da força física e emocional provoca lesões visíveis e invisíveis, causa traumas e pode levar à morte. A negligência individual familiar, social ou institucional em relação às necessidades da pessoa idosa constituem uma forma cruel de violência. Portanto, quando alguém agride ou omite amparo a uma senhora ou um senhor idoso que precisa de ajuda, fere direitos fundamentais e personalíssimos desse grupo social.

 

As violências contra idosos devem ser combatidas e denunciadas pelos seguintes telefones:

CREAS - Centro de Referência Especializado de Assistência Social (3445-8944/3445-8925);

DPECAMI - Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (3433-2189);

Conselho Municipal dos Direitos do Idoso – CMDI (3431-0491/3431-0316);

Secretaria Municipal da Assistência Social e Habitação (3431-0389);

NUPREVIPS - Núcleo de prevenção às violências e prevenção à saúde (3431-2764);

Ministério Público 5° Promotoria de Justiça (3462-5805) e Disque 100.

 


CMDI - Conselho Municipal de Direitos do Idoso de Criciúma
Centro de Eventos José Ijair Conti
Endereço: Rua Giácomo Sônego Neto, 1335 - Santa Bárbara - Criciúma - SC
CEP: 88804-320
Fone: (48) 3431-0316 ou (48) 3431-0491
E-mail: cmdi@criciuma.sc.gov.br

Prefeitura Municipal de Criciúma
Diretoria de Tecnologia da Informação

Equipe Técnica:
  • Tiago Ferro Pavan - Diretor Executivo de TI
  • André Faria Ruaro - Analista de Sistemas
  • Fabio Valvassori Bitencourt - Programador de Computador
  • Alan Felipe Farias - Programador de Computador